terça-feira, 14 de maio de 2013

Mário Cunha e as Compradoras da Peça de Roupa Perdida



Se achavam que as aventuras vividas pelo heróico professor Indiana Jones no filme "Indiana Jones e os caçadores da Arca Perdida" eram algo de extenuante, esperem só até irem num domingo à tarde a um centro comercial em Portimão. E porque, tal como as grutas e templos onde o Professor se metia tinham zonas mais difíceis de ultrapassar que outras, experimentem ir, por exemplo, a uma Primark.

E a Primark é mesmo a melhor loja pare se utilizar em analogias com templos de religiões antigas, já que tanto uma como os outros foram "feitos" à custa de trabalho escravo e provavelmente muitas mortes por falta de condições de trabalho.

Mas avancemos...  

A verdade é que até me dava jeito ir às compras, já que precisava de alguma roupa - quem diria que as minhas jeans e shirts de bandas hardcore não seriam roupa adequada para o trabalho? Contudo, se as minhas compras ficaram despachadas num quarto de hora - a contar já com a ida à casa de banho porque a viagem até Portimão é grande e com o calor bebe-se muita água pelo caminho - o pior viria a seguir: as compras da Mara, da minha irmã e da minha mãe!

Porque se há característica em que se nota a total diferença entre os sexos, estou convicto de que as idas às compras é uma delas. Aliás, mais do que uma questão de sexo, eu diria que isto é mesmo uma questão se sexo feminino apenas nas humanas, já que até as pequenas roedoras - e reparem que tentei a todo o custo evitar a expressão "ratas" - quando colocadas num labirinto vão directas à saída sem antes terem de passar por todos os cantos.

E vocês dizem "Mas Mário, os labirintos não têm roupa à venda. As mulheres também o iam despachar num instante." Não, não iam ... mesmo que não houvesse roupa elas iam andar pelo labirinto a criticar a decoração do espaço ou assim.

Mas pronto, depois de ter dado como concluídas as minhas compras acompanhei a Mara pela loja a dar opiniões que me eram solicitadas sobre coisas que não entendo lá muito bem na verdade. Mas e se a minha irmã demorava mas ainda ia "enchendo" o cesto, já a Mara tem aquele grande defeito que é gostar de tudo, mas nunca levar nada. E sim, a crise afecta-nos, é claro ... mas o caso da Mara não é só crise, é azar mesmo ... ela até gosta das coisas, mas nunca há o tamanho dela na cor que ela gosta, ou a cor que ela gostaria no tamanho que ela usa.

Não se perdeu tudo: trouxe um conjunto de elásticos para o cabelo!

Ass: Mário

Sem comentários:

Enviar um comentário